7 de abril de 2013

Primavera Graciosa e o Dragão Roxo



Considerações Iniciais: Essa história nasceu de uma conversa muito louca com a minha querida amiga Saphira. Falávamos sobre japonês e a Saph analisava uns kanjis, até que tivemos a ideia de analisar os kanjis referentes aos nomes de Shiryu e Shunrei. Eu sempre tinha visto por aí que o nome da Shunrei significava “Flor do Campo”, “Bela Flor” e similares. Até que a Saph me chamou a atenção para uma coisa: não era flor, era primavera. Primavera Bela, Primavera Graciosa. Não uma só flor. A primavera inteira! Aí veio a ideia para essa história que eu considero uma das melhores coisas que escrevi. Amo demais e espero que vocês gostem também. 


PRIMAVERA GRACIOSA E O DRAGÃO ROXO
Chiisana Hana


“As coisas precisam seguir seu curso natural”, disseram-lhe como justificativa para confiná-la a um cômodo pequeno durante três quartos do ano. Para que não interferisse nas estações, só podia sair na primavera e algumas poucas vezes no começo do verão.  Fora dessas épocas, saía somente se fosse absolutamente necessário, como em caso de doença, mesmo assim, era carregada para que seus pés não tocassem o chão. Quando tinham condições, pagavam um riquixá, mas a mãe, viúva, mal podia manter as duas.  Não tinha os tradicionais e cruéis ‘pés de lírio’, felizmente. A mãe não tivera coragem de impor tamanho sofrimento à menina. Bastava a maldição que ela carregava desde que nascera. Além do mais, de que adiantaria ter pés de lírio se, do jeito que ela era, jamais arranjaria marido?
A mãe deu-lhe o nome de Primavera Graciosa porque já em seu primeiro banho, assim que os pezinhos tocaram a água, minúsculas florezinhas espocaram. Mais tarde, quando começou a aprender a caminhar, seus passinhos inseguros salpicavam o chão de flores e a mãe ia atrás, arrancando tudo que brotava.
Acostumou-se desde muito cedo a usar um sapatinho de sola reforçada com madeira e mesmo isso não era suficiente, pois onde seus pés tocavam, florescia. Às vezes, a depender do seu humor, brotavam do solo flores imensas em questão de segundos. Quando entrava na água, logo ninfeias e outras flores aquáticas começavam a surgir. Certa vez, quando se banhava no lago, tinham sido tantas que, com medo de emaranhar-se nas raízes, ela saiu correndo para casa, deixando no caminho um rastro de flores azuis.
Restrita a seu quartinho durante três estações, passava os dias sobre a cama, costurando e bordando. Quando eventualmente resolvia andar pelo cômodo, precisava sair arrancando as flores que brotavam. Apenas uma ela não teve coragem de arrancar: a touceira de flor do dragão, que aparecera num dia em que ela se sentia particularmente triste. Estava chovendo e ela queria sentir a chuva tocando-lhe a pele, mas a mãe não deixou que saísse. Então, saiu da cama, abriu a janela e esticou a cabeça para fora, molhando-se. Ali, no cantinho abaixo da janela onde seus pés tocaram, nasceu a planta. Lembrava que a tinha achado estranha quando viu surgir aquela coisinha meio feiosa parecida com um cacto. Sempre apareciam plantas de flores e folhas abundantes, nunca antes tinha nascido uma suculenta. Resolveu deixá-la ali por que era diferente, tal como ela mesma. Era só uma suculentinha sem flores afinal. Até que um dia a pequena surpreendeu-a com um tímido cacho de flores pendendo para baixo, como sinos, que se abriram quando ela chegou perto. Não eram lá muito bonitas, mas sem saber o porquê ela ficou encantada com o tom intensamente vinho delas, algumas quase roxas. Cheirou-as. Não tinham um perfume muito agradável, mas só se sentia se chegasse muito perto. Assim, deixou a flor do dragão ali, no cantinho do quarto, e se encantava toda vez que um novo cacho de flores surgia e se abria. A mãe contou-lhe uma lenda sobre a planta, dizendo-lhe que recebera esse nome porque surgira do sangue que jorrara de um dragão que fora morto por desvirginar uma donzela. Primavera Graciosa riu e disse que dragões não existiam. 
Quando a primavera chegava, seu dom, que a mãe chamava de maldição, era bem-vindo e, por algumas horas todos os dias, ela podia andar livremente, de pés descalços, deixando que tudo florescesse ao seu redor e na água onde se banhava. Voltava para casa satisfeita, sentindo-se livre e ansiando por outro dia, outra saída, mais algumas horas do lado de fora, milhares de flores ao seu redor.

--X--X--X--X--X--


Ele tinha sido condenado a viver em sua caverna por toda a eternidade. Saía de lá poucas vezes, atravessando a cachoeira que escondia seu lar, e não podia se afastar muito dali. Era seu castigo por ter amado e ele o aceitou sem resistir. Não se arrependia de ter enfrentado tudo pela moça que tanto amara, mas já tinha sido há tanto tempo... Ele estava cansado de viver sozinho. Estava na Terra há milênios e enfrentava a solidão cumprindo sua missão de zelar pelas águas.
Sabia de tudo que acontecia lá fora através do que a chuva lhe murmurava. As gotas diziam o que haviam tocado e quando, falavam dos cheiros e dos sabores dos quais ele tanto sentia falta. Mas eram sempre as mesmas histórias e ele já estava cansado de ouvi-las através dos tempos. Até que um dia os murmúrios despertaram novamente sua atenção, pois falavam de uma moça com pés de primavera e ele não entendeu direito o que as gotas queriam dizer.
“Pés de primavera?”, perguntou. E as gotas disseram que onde os pés dela tocavam nascia uma flor. Ele se perguntou como nunca antes as gotas tinham falado dela e, embevecido, chamou o vento e disse que entregasse a ela um presente. Soprou uma sementinha vaporosa da flor que tinha seu nome e o vento, seu amigo, levou até ela.
As gotas disseram que ela ficara maravilhada com o presente e que mantivera a plantinha em seu quarto. O dragão sentiu-se iluminar. A partir de então, passava os dias ansiando por notícias da tal moça com pés de primavera. Ouvia atento tudo que o vento, a chuva e a terra lhe diziam. Até que as notícias pararam de chegar. Simplesmente não tinham visto mais a moça. Ele então se enfureceu e provocou uma tempestade. Choveu por vários dias e noites sem parar e ele pedia notícias à chuva, mas ela não sabia nada. E ele se impacientava cada vez mais, mandava mais chuva, mais chuva.
Pediu ajuda à terra, implorou que lhe dissesse onde ela estava, mas a terra disse que não sabia dizer onde encontrá-la.
Os dias passavam e ele continuava fazendo chover na tentativa de encontrá-la. O vento compadeceu-se dele e soprou as janelas com força, procurando-a. As gotas perguntaram ao rio se a tinham visto, mas ele disse que há muito ela não aparecia. E o dragão mandava mais chuva...

--X--X--X--X--X--

Sob o retumbar dos trovões e a chuva torrencial, vários aldeões reuniram-se em frente à casa de Primavera Graciosa.
“Como é?”, perguntou a mãe. “Querem que ela saia?”
“Sim!”, responderam em coro.
“Já passa da época desse inverno maldito acabar”, disse um.
“Desse jeito, vamos morrer afogados”, outro completou. “Primavera precisa sair para acabar com a chuva.”
“E quem garante que se ela sair, não vai florescer tudo desenfreadamente e continuar a chover mesmo assim?”, argumentou a mãe.
“Precisamos arriscar”, foi o que ela ouviu em resposta e, resignada, foi chamar Primavera. A moça encontrava-se encolhida na cama há semanas, sem ânimo para se mexer, desde que a mãe arrancara sua flor de dragão. Nesse dia, Primavera tinha ficado de pés no chão por horas e o quarto inteiro cobriu-se das mais variadas flores, exceto a do dragão. Entristecida, resumiu-se à cama. Só saía dali para assear-se, com seus sapatinhos reforçados, e passava os dias encolhida, numa melancolia de dar dó. Sobressaltou-se quando a mãe entrou no quarto de chofre.
“Venha, filha”, disse ela. “Os vizinhos estão chamando.”
“Eu não quero ver ninguém”, grunhiu Primavera, arisca, e cobriu-se com o lençol.
“Eles querem que você saia.”
Primavera deu um salto e abriu um sorriso luminoso.
“Sair? Sim, eu vou! E na chuva! Eu sempre sonhei em sair na chuva!”
Descalça, colocou um pé para fora de casa e ali brotou uma touceira de roseira-brava, deu outro passo, brotou um pé de gerânios. Foi andando, sentindo a chuva no rosto, nos cabelos. Que alegria sentia! Rodopiava pelo chão enlameado e escorregadio, caía, levantava, tornava a rodopiar, as flores espocando sem controle onde os pés tocavam. Maravilhados com o espetáculo, os aldeões demoraram a notar que os trovões cessaram e a chuva começava a diminuir.
Em sua caverna, o dragão acordou com o burburinho da chuva. Todas as gotas falavam ao mesmo tempo em que ela apareceu, que estava dançando sob a chuva, e a terra contava que ela estava feliz e por isso saíam as flores mais bonitas estavam saindo dos seus pés, e o vento entrelaçou-se aos cabelos negros dela e trouxe seu perfume, que o dragão aspirou enlevado.
Na casa de Primavera, irromperam centenas de flores do dragão, com seus cachos violáceos, e a cada minuto surgiam novos brotos e eles cresciam em segundos e saíam mais cachos de flores.
A chuva cessou por completo e sol se abriu, mas Primavera continuou dançando lá fora. A mãe quis forçá-la a entrar, mas ela se recusou. Corria alegre, agora com o sol tocando seu rosto pálido. Até que, num rodopio, faltou-lhe o chão. Estava flutuando, sendo carregada pelo vento. Alguns aldeões tentaram segurá-la, mas foi inútil, o vento a levava mais alto e mais longe a cada lufada. E ela deixava-se ir, deliciando-se com a sensação de voar livre mesmo sem ter asas, sentindo-se uma pétala ao sabor do vento.
Pousou horas depois na beira de um lago onde caía uma cachoeira, não sabia a que distância de casa, mas certamente muito longe. De trás da cortina de água, saiu um dragão. Ela não se assustou. Olhou extasiada para o animal mítico, que ela nem acreditava que existia, e suas escamas arroxeadas, os expressivos olhos azuis, as poderosas garras que saíam dos dedos dele.
Quando o dragão se aproximou, dos pés de Primavera brotaram mais flores de dragão, milhares delas, abrindo-se por todos os lados, mesmo em lugares onde os pés dela nunca haviam tocado, um redemoinho de sinos vermelho-arroxeados, saindo da terra aos borbotões.
Com sua voz profunda, o dragão pediu que ela subisse em seu dorso. Ela o fez. Mesmo assim as flores não paravam de brotar. Agarrou-se aos longos bigodes do animal, ele deu uma guinada para frente e Primavera teve de segurar-se com mais força para não cair. O dragão flutuou, rodopiou no céu, e voou em direção à cachoeira, atravessando-a. Do outro lado, sua imensa caverna, que tinha um brilho nacarado, como o interior de uma concha, e abria-se para um vale verdejante. Primavera olhava o lugar extasiada. Estava acostumada a ver as plantas brotarem sem controle ao seu redor, mas nunca tinha visto nada tão bonito quanto o vale.
Acariciou o dragão e beijou-lhe as escamas, sentindo-se em comunhão com aquele ser que amou sem saber desde o dia em que a primeira flor de dragão abriu-se em seu quarto.
Quando enfim desceu do dorso do animal, tamanha foi a surpresa de Primavera ao ver que estava livre. Ali o chão não florescia ao toque dos seus pés.


Continua...

1 de agosto de 2008

Personagens Originais da série de "O Casamento"

****Rumiko****


Nome: Rumiko Akiyama
Idade: 17
Local de nascimento: Okinawa - Japão
Altura: 1,57m
Caracterísitcas:
Cabelos pretos, curtos, repicados. Olhos castanho-escuros.
Foi para os Estados Unidos para estudar Artes Cênicas. É colega de Hyoga no curso... Bom, mais que colega, né? Já ultrapassaram a fronteira da amizade. É dinâmica, direta, incisiva, independente. Gosta de roupas curtas e coloridas. Seu grande sonho é se tornar uma estrela do cinema.

****Nicoletta Madonna****

Nome: Nicola Sabati
Idade: 24 (hihihihihi)
Local de Nascimento: Siracusa - Sicília - Itália
Altura: 1,79m
Peso: 60kg
Características:
Quando era homem, tinha os cabelos escuros, agora é loira platinada. Olhos azuis. Juntou dinheiro e colocou silicone, agora usa sutiã tamanho 44. Adora ouro, roupas douradas, acessórios dourados (hihihihihi!). Antes trabalhava numa ruazinha obscura, agora é um travesti chiquetoso, frequenta as melhores boates atrás de clientes ricos... ("Eu era uma bibinha pobrinha e pão com ovo"... hihihihihihi! Salve, Christian Pior!). Amigo de infância de Máscara da Morte, foi o cavaleiro quem lhe ofereceu ajuda quando o pai o expulsou de casa. Fez um favorzinho para o Máscara na fic "Sorrisos, Segredos e Enganos" (não, não foi isso que vocês estão pensando!). Gente boa pra chuchu, só quer ser feliz, quem sabe até com um príncipe encantado.

*****Faltou algum personagem???
P.S.: Chiisana Hana agora postando também no Nyah! Fanfiction! Heheheheeh!

13 de janeiro de 2008

Personagens Originais de Mit Dir

****Dra. Ann****

Nome: Ann Dagsland
Idade: 32 anos
Local de Nascimento: Drammen, Noruega
Altura: 1,79m
Características:
Médica do pronto-socorro do Hospital Municipal de Narvik, Noruega.
Loira, olhos azuis, alta e magra. Pinta o cabelo de preto. Segura de si, um tanto impaciente e insensível. Tem um caso com o prefeito da cidade de Narvik, Linus Jensen.
Nas palavras da minha consultora-cutucadora, Fiat Noctum, Ann é "uma mulher de aço, que não se curva para ninguém e gosta de brincar de Deus quando tem a vida dos pacientes nas mãos." É isso mesmo. Quando ela está no centro cirúgico, gosta de pensar que tem algum tipo de poder divino.

****Prefeito Linus****

Nome: Linus Jensen
Idade: 35
Local de Nascimento: Asgard
Altura: 1,87m
Características:
Loiro, olhos azuis, alto, forte. Partiu de Asgard com o pais e os irmãos. Prefeito da cidade de Narvik, Noruega. Casado há dez anos com Grethe Jensen. Não tem filhos.
Linus é um homem bonito, de caráter duvidoso. Não mede conseqüências para se dar bem. Tem um caso com a dra. Ann Dagsland.

11 de novembro de 2007

Perfis dos Criados dos Cavaleiros de Ouro (personagens originais)
**O do Mu não está na lista porque ainda não apareceu nas fics. O do Aiolia é oficial, aparece no Episódio G e se chama Garan**

ALDEBARAN:
Nome: Itimbira
Local de Nascimento: algum ponto da Floresta Amazônica, na Aldeia da tribo Baniwa - Brasil (por isso ele não desiste nunca! Hehehe!)
Idade: 28 anos
Altura: 1,65m
Características: Cabelos e olhos negros. Descendente de índios Baniwa, mesma tribo da mãe do Aldebaran (nas minhas fics, não é oficial). Sua mãe fugiu da aldeia com um missionário. Inteligente, perspicaz. Gosta muito de cozinhar. Especialidades: comida nordestina (passou uns anos aqui no Nordeste antes de ir para a Grécia.) Foi aspirante a uma armadura de prata. Desistiu no segundo ano, quando quase perdeu o pé num treinamento.
Coisas que ele gosta: frutas tropicais, mulheres brasileiras (faz tempo que ele não vê uma, heheeh!), comida condimentada.

SAGA:
Nome: Bigalis
Local de Nascimento: Ilha de Ikrália - Grécia
Idade: 35 anos
Altura: 1,75m
Características: Cabelos pretos, olhos verdes. Aparentemente tranqüilo, introspectivo. Aparentemente! Foi criado pessoal de Saga quando ele era o Mestre. Viu o cavaleiros surtar algumas vezes e entende a loucura dele... hehehe!
Coisas que ele gosta: chocolate, biscoito de chocolate, fazer esculturas de metal, escrever.

KANON:
Nome: Helios
Local de Nascimento: Atenas - Grécia
Idade: 30 anos
Altura: 1,99m
Características: loiro, olhos azuis, pele muito bronzeada sempre (mais que o Hyoga!). Disputou uma armadura de prata. Ganhou uma cicatriz no peito, que ele adora exibir (Nina! Isso lembra alguém? Qualquer semelhança não é mera coincidência!)
Coisas que ele gosta: mulher, se exibir para as mulheres, conquistar mulheres novas.

MÁSCARA DA MORTE :
Nome: Carmelo
Local de nascimento: Caravaggio - Itália
Idade: 36
Altura: 1,69m
Características: cabelos pretos, olhos cor de mel, olheiras profundas, rosto meio cadavérico. Magro que nem uma vassoura. Fumante inveterado. Sarcástico. Foi aspirante a uma armadura de prata. Caiu fora antes de morrer.
Coisas que ele gosta: aranhas, escuridão, gatos pretos. Cozinha por obrigação, mas o faz muito bem.

SHAKA:
Nome: Surendra
Local de Nascimento: Nagpur - Índia
Idade: 29
Altura: 1,75m
Características: cabelos e olhos negros. Mudo (perdeu a fala durante sua prova final para uma armadura de prata). Shaka o escolheu justamente por isso. Assim ele não incomoda, não faz perguntas. É tranquilo, sereno.
Coisas que ele gosta: praticar yoga, ver o mar, cuidar de plantas e cozinhar.

DOHKO :
Nome: Arvanitakis
Idade:39
Altura: 1,65m
Local de Nascimento: Vila de Rodorio - Grécia
Características: cabelos pretos. Olhos castanho-claros. Sério, compenetrado, formal. Detesta bagunça. Excelente cozinheiro.
Foi criado de Saga quando ele era o Grande Mestre.
Coisas que ele gosta: ler livros de filosofia, jogar xadrez ou gamão.

MILO :
Nome: Eudoxos.
Local de Nascimento: Ilha de Creta - Grécia
Idade: 37
Altura: 1,79m
Características: cabelos negros, olhos azuis, bonitão. Pegador! Não vive sem um rabo de saia! Cozinha mais ou menos... O Milo não liga.
Coisas que ele gosta: mulher, futebol e ouzo.

CAMUS :
Nome: Horace
Local de Nascimento: Brest - França
Idade: 30
Altura: 1,70m
Características: cabelos castanhos, já ficando ralos. Olhos verdes. Exímio cozinheiro, tranqüilo, discreto. Paquera o criado de Afrodite.
Coisas que ele gosta: cozinhar, beber vinho, ouvir música clássica.

SHURA :
Nome: Gustavo (prefere ser chamado de Gus)
Local de Nascimento: Rosario - Argentina
Idade: 29
Altura:1,69m
Características: Cabelos e olhos castanhos. Seguro de si. Se acha o rei da cocada preta. Cozinha bem pra caramba, principalmente churrasco.
Coisas que ele gosta: implicar com o Itimbira, andar a cavalo, comer churrasco e dizer que o Maradona é melhor que o Pelé..

AFRODITE :
Nome: Patricius
Local de Nascimento: Patras - Grécia
Idade: 28
Altura: 1,99m
Características: cabelos castanhos, olhos azuis. Forte, muito forte. Lutador de greco-romana. Não pode ver filme de amor que se desmancha em lágrimas. Cozinha muito bem, arruma a casa como ninguém, lava a roupa. Afrodite adora ele porque é limpo, organizado e não se mete onde não é chamado Tem uma queda por Horace, criado do Camus.
Coisas que ele gosta: cozinhar, ver filmes melosos e novelas mexicanas, comer doces.

Perfis dos Personagens Originais de "Escute seu Coração"

****Pani****


Nome: Pani Mong
Idade: 18
Local de nascimento: Coréia do Norte
Altura: 1,56m
Caracterísitcas:
Cabelos e olhos castanho-escuros.
Mudou-se para o Japão com a família ainda bebê.
Órfã de mãe desde os 5 anos de idade.
Vendeu sua virgindade para pagar a fiança do pai que estava preso. Uma semana depois de sair da prisão, ele foi morto. O assassino nunca foi encontrado.
Sozinha e sem perspectiva, começou a se prostituir para sobreviver.
Ikki foi um dos seus primeiros clientes e acha que ela não tem futuro nessa profissão.

****Giorgos****
Nome: Giorgos Zazoupoulos
Idade: 42
Local de Nascimento: Mykonos, Grécia
Altura: 1,79m
Características:
Cabelos castanhos, olhos verdes.
Médico. Casado. Pai de uma filha que cursa a faculdade de Medicina. Mora na Vila de Oia, Ilha de Santorini.
Tem uma relação estranha com a mulher. Costuma chamá-la de "dragão, mala, monstro marinho" e outras coisas "delicadas".


****Fatma****
Nome: Fatma Sölen
Idade: 25
Local de nascimento: Atenas, Grécia
Altura: 1,78m
Características:
Cabelos castanho-escuros, olhos castanhos.
Descendente de turcos.
Enfermeira. Solteira. Cresceu nas proximidades de Rodorio. Tinha um irmão que morreu tentando ser cavaleiro.
Encara o sexo como uma coisa natural e faz quando quer, com quem quer e pronto. Ninguém tem nada a ver a com vida dela. É uma mulher sem pudores.
Se ela fosse brasileira cantaria: "Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mudo é meu também."

11 de agosto de 2007

Perfis das Personagens originais de "O Casamento"

Por enquanto, só uma fichinha básica das meninas para os leitores dessa fanfic se familiarizarem com elas. Só com o desenrolar das histórias, principalmente da side story dos dourados, é que as caracterísiticas das meninas serão melhor desenvolvidas.
Vamos lá, leitores!

P.S.: Se alguém se dispuser a desenhá-las...

****Agatha****

Nome: Agatha Ross

Idade: 34

Local de nascimento: Estados Unidos

Altura: 1,75m

Características: morena, cabelos castanhos, lisos, volumosos, na altura dos ombros. Grandes olhos cor de mel, cílios grandes.
Ativa, exigente, às vezes até meio grossa, quando acha necessário. Nutre um carinho muito grande por suas pupilas.

Gosta de cores extravagantes, de roupas justas e vestidos decotados.

Tem um gato preto chamado Chaos.

Já foi campeã mundial de tae kwon do 3 vezes. Aposentou-se e agora treina meninas. Há um mistério em sua vida que nem mesmo as pupilas conhecem.


****Trigêmeas****

Rose, Lily e Violet


Nomes: Rose McLean, Lily McLean e Violet McLean

Idade: 20

Local de nascimento: Estados Unidos

Altura: 1,75m

Caracterísitcas: loiras, olhos azuis, cabelos longos.

Rose e Violet são curvilíneas. Lily é longilínea, tem seios pequenos e quadril estreito. Conheceram Agatha quando seus pais morreram num acidente de carro e foram parar num abrigo do governo, onde a lutadora mantinha um projeto de assistência às crianças. Ao atingirem a maioridade, passaram a viver com a treinadora.

Rose é auto-confiante, segura de si. Gosta de se arrumar, de usar roupas de grifes caras. Está sempre maquiada. Não dispensa o rímel nem na hora da luta. Costuma desdenhar da magreza de Lily e apelidou-a de Lily-Ana, numa alusão à anorexia nervosa (que Lily não tem).

Lily é extremamente tímida. Tem voz aguda, quase infantil, e fala somente o necessário. Sente-se mal por sua magreza e sempre usa roupas que tentem disfarçar sua compleição física. Não compete nos campeonatos de tae kwon do e tem um certo medo da segurança e independência de Rose.

Violet é extrovertida, ágil, direta, detesta perder tempo. Nunca desiste de algo que quer. Ama dançar. Cozinha bem e costuma assumir a cozinha na casa de Agatha nos poucos dias em que param lá. Tenta proteger Lily das gozações de Rose.



****Angélica****

Nome : Angélica Buendía (o sobrenome dela é uma homenagem aos personagens do meu livro favorito: Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Marquez)

Idade: 18

Local de nascimento: México

Altura: 1,70m

Caracterísitcas: cabelo castanho-escuro, longo e cacheado (mas ela vive fazendo escova). Olhos azuis, pele muito branca, lábios volumosos.

Personalidade: É uma menina tranqüila, simpática, estudiosa. Gosta de música e de trabalhos manuais.

Seus pais, imigrante ilegais nos Estados Unidos, morreram quando ela tinha 8 anos, num acidente na fábrica clandestina onde trabalhavam. Passou a viver nas ruas e a sobreviver de esmolas e pequenos furtos. Agatha a encontrou na rua e levou-a pra casa. Posteriormente, conseguiu sua guarda.


****Celina Luz****

Nome: Celina Luz

Idade: 20

Local de nascimento: Portugal

Altura: 1,78m

Caracterísitcas : alta, seios fartos, cabelos lisos, na altura dos ombros, tingidos de vermelho-cereja. Olhos azuis, lábios carnudos, voz ligeiramente grave. Decidida, independente. Unhas sempre pintadas de vermelho. Órfã de pai e mãe.

Agatha a conheceu num campeonato em Portugal, quando ela facilmente derrotou Rose. A partir daí, passou morar e treinar com as outras meninas. Quase sempre se desentende com Rose por causa da primeira luta das duas.